Sábado, 02 de Maio de 2009

Assisti hoje ao IV festival de folclore infantil, do rancho folclórico da Casa do Povo de Tábua. Ao ver tanta juventude, a cantar e a dançar, as tradições dos seus antepassados.  Faz querer que o folclore não acabará nestes anos mais proximos. Estiveram representadas, várias regiões. A "Beira Alta" com o rancho anfitrião, a região "saloia" com o rancho da Mugideira-Torres Vedras, a Nazaré fez-se representar pelo Tá Mar, e o Douro Litoral pelo rancho de Argoncilhe "Terras da Feira." Uma tarde bem passada a ver a habilidade destas crianças, que serão o futuro do folclore em Portugal.  Que bonito foi poder recordar algumas brincadeiras de criança, tais como: o lencinho, o jogo do peão, o saltar à corda, a fisga, a flecha, etc. Como recordar é viver, hoje voltei a reviver os meus tempos de rapaz.. Estes grupos de jovens ainda têm algumas falhas, mas isso é próprio da idade. Algumas vezes, também é falha dos responsáveis, que não sabem explicar às crianças como eram as tradições. Vi em dois grupos de folclore a dançarem a "Triste Viuvinha." Não sei como é que quem está à frente dos grupos não vê que esta moda é para ser dançada por adultos? Lamento que grupos que estão na Federação, cometam  erros desta natureza. Nas crianças ainda não há viuvas, como é que podem estar a representar? Em jeito de conclusão: devo dizer que todo este trabalho é importante para o futuro do folclore, mas é importante ensinar, mas ensinar bem, porque se não estão a deturpar o que era as verdadeiras tradições dos nossos antepassados.

publicado por barroseira às 18:32