Domingo, 29 de Março de 2009

As Misericórdias deste país fazem o trabalho que cabe ao estado que é dar uma vida melhor aos mais necessitados, e por vezes não são tratadas com o respeito que merecem pelos órgãos do poder, governos e poder local. A Misericórdia de Tábua que levou em frente uma obra que é considerada por muitos como referência nacional, tendo já sido visitada por várias entidades, entre as quais algumas Misericórdias, para seguirem a orientação do que foi feito no nosso hospital. Isto claro que deixa todos os tabuenses orgulhosos do trabalho feito, principalmente esta mesa administrativa, um bem hajam pelo trabalho desenvolvido. Os críticos desta terra só têm é mania, falam, falam mas não fazem nada, não têm é capacidade para poder assumir um projecto desta envergadura, e depois só criticam. Apareçam com propostas com credibilidade e assumam alguma coisa não critiquem só por criticar, ponham os olhos em outras mesas que por cá passaram e depois digam se esta mesa não teve coragem para enfrentar uma divida de cerca de 4.000.000 de euros. Misericórdia de Tábua neste momento é das maiores empregadoras do concelho com 230 trabalhadores. Será que por tudo isto não merecia outros apoios de todos os tabuenses? Ontem ouvi na assembleia que a Misericórdia merecia outros olhares por parte do poder local e nacional, se analisarmos, chegamos à conclusão que sim, é verdade, se gastam tanto dinheiro no futebol, se dão carrinhas a muitas instituições, será que esta não merecia também receber uma carrinha? Esta mesa está em funções há cinco anos, e até agora já comprou cinco carrinhas e não teve nenhuma oferta do município o que já deveria ter acontecido. Se não existisse a Misericórdia, com certeza que havia muitos dias que apareciam à porta do município, alguns a pedirem dormida e comida.Responsáveis tabuenses ajudem esta casa, não deixem que quem lá está perca a vontade de continuar a dar os seus serviços sem receber nada em troca, porque ao ver como funcionam as coisas neste país, gestores com ordenados chorudos, e ainda com prémios e levam as empresas à falência, ponham os olhos neste beneméritos que trabalham de borla e ainda quando se deslocam a representar a instituição, as despesas são pagas pelos próprios, estas casa não tem política mas sim solidariedade.

publicado por barroseira às 18:16