Terça-feira, 30 de Junho de 2009

O último livro de José Saramago «A viagem do elefante» para mim como leitor assíduo é dos melhores livros escritos pelo autor. Não é por acaso, que ele fez uma viagem pelas aldeias que ele narra no livro e que as considera locais a visitar.

Apesar de ser para muitos um poeta controverso, eu gosto da maior parte dos livros publicados. Será preciso analisar as vendas e chegar à conclusão que muito do que se diz não é verdade, porque as vendas falam por si.

Os problemas de pontuação, muita gente o tem, mas não é por isso que devemos apreciar negativamente a sua escrita. Para mim demonstra um homem do povo, simples que não ligava muito a esses pormenores. Mas se analisar-mos as suas últimas publicações, podemos ver que a sua escrita já está diferente.

É preciso analisar bem o que é que o povo gosta. Porque por vezes, quanto mais queremos ser intelectuais, menos conseguimos passar a nossa mensagem.

Vou dar um exemplo, critica-se muito a música pimba, mas quem é que vende mais? São os cantores que se intitulam os experts da música portuguesa, ou os cantores populares, que são o ópio do povo «por exemplo Tony Carreira» um fenómeno da música popular portuguesa. Deixem-se de lirismos e deixem o povo escolher aquilo que gosta. Espero que o poeta José Saramago, dure muitos anos e continue a escrever os livros que satisfazem muitos dos seus leitores. Um bem haja da minha parte.

publicado por barroseira às 14:30

Sexta-feira, 05 de Junho de 2009

A saúde está doente.

Que mais irá acontecer às pessoas que estão doentes em Portugal? O caso que vou relatar está a acontecer comigo. Sou um doente coronário com problemas graves nas artérias finas. Não posso fazer esforço nenhum porque a dor apanha-me logo a parte esquerda. Desde que me deu o enfarte há cinco anos, que estou a ser seguido na cardiologia dos H.U.C. com consultas regulares todos os seis meses. Mas as coisas neste último ano modificaram-se. A última consulta que tive foi em Maio de 2008, o meu médico disse-me que tinha que fazer mais um cataterismo, que mo ia marcar. Como passou algum tempo, liguei-lhe e ele disse-me que aguarda-se mais uns dias que depois me chamavam. Como nunca mais o fizeram, voltei
à carga, o médico mandou-me lá ir, e eu fui, desloquei-me 60km para cada lado, só par me dizer que ia marcar novamente que aguarda-se. Cá continuo a aguardar, já passou um ano e o cataterismo nunca mais é.  Só me vão chamar quando eu morrer? Leva-me a pensar que é um caso de economicismo, dado que os hospitais têm que apresentar bons resultados e não podem fazer despesas. Se é este o caso vale mais matar as pessoas porque assim já não dão despesa.

publicado por barroseira às 15:21