Quarta-feira, 25 de Fevereiro de 2009

Estamos a chegar aos 35 anos de democracia, já foram realizadas muitas coisas boas, mas durante estes anos, eram para ter feito muito mais em vários sectores. Era-mos um país atrasado em relação à Europa, mas passados 35 anos estamos na mesma. Havia pobreza, mas continua a haver, havia sopa dos pobres, voltou a haver outra vez. A ditadura que tivemos durante cinquenta anos colocou-nos na cauda da Europa e do Mundo. Os democratas / políticos em 35 anos colocaram o país à beira da banca rota e sem soluções para esta crise.Isto não é só em Portugal mas com o mal dos outro podemos nós bem. Com estes problemas todos pode-se tirar as seguintes elações: as políticas seguidas até agora pelos vários governos, foram politicas erradas, sem fazerem estudos aprofundados da realidade portuguesa. Ou então os programas de governo eram bons, mas os executantes eram incompetentes para o pôr em prática, e deu no que deu. O zé povo é que tem que pagar a crise. Os gastos sem controle, viver a cima das possibilidades do país, darem regalias a mais, sem avaliarem uma sustentabilidade duradoura. Estes políticos precisam de ser expulsos e castigados pelos maus serviços prestados ao país ao longo destes anos. Venha outra gente, com outras ideias e outras políticas económicas que sejam viáveis, sem corrupção nem compadrios. Façam da poupança uma bandeira, porque o incentivo ao consumo exagerado trouxe todos estes problemas. Veja-se o caso dos bancos, dão tudo, vendem tudo,  as pessoas não fazem contas, depois vêm os apertos, e vai tudo para a penhora. Agora já estão a apertar mais nos empréstimos, mas depois de casa roubada trancas à porta.

publicado por barroseira às 22:19

Terça-feira, 10 de Fevereiro de 2009

A crise económica que o mundo está a atravessar é segundo os analistas das piores de sempre. O homem contribuiu para que isto esteja a acontecer, porque a luxúria que existe por esse mundo além e o querer ganhar muito dinheiro rápidamente, fez com que muitas pessoas colocassem as suas economias adquiridas durante toda a vida em situações de risco, confiando nas pessoas, mas essas pessoas não eram sérias e fizeram desvios de dinheiro para paraísos fiscais para seus beneficios. Haja justiça e que os culpados sejam condenados e que sejam todos os seus bens confiscados. As ecónomias do mundo actual têm que ser repenssadas e restruturadas, corrigindo os erros que foram feitos até aqui, porque este modelo esá provado que não serve. As desigualdades são cada vez maiores e se não houver alterações podemos vir a ter outra guerra mundial e isso não será benéfico para ninguém. Esperamos que a nova liderança da América que é o país que comanda o mundo, tenha a coragem de ajudar a resolver muitos dos problemas existentes, dado que foram eles os principais culpados de toda a crise  mundial.

publicado por barroseira às 21:56

Quinta-feira, 05 de Fevereiro de 2009

Estamos em ano de eleições, por isso já foi anunciada a primeira grande obra na vila de Tábua. Li no Jornal de Tábua, que vai avançar a construção do centro cultural no jardim Sara Beirão, felizmente uma boa noticia para os tabuenses, dado que era uma lacuna na vila. Os tabuenses ficam mais ricos culturalmente com esta obra, dado que pode haver cinema, teatro e outro tipo de espectáculos, reuniões, congressos etc. Pena é que não possam avançar também com o outro projecto, o da requalificação da zona da ribeira, dado que as zonas de lazer em Tábua são nulas, é preciso criar condições para que as pessoa se fixem na vila. A criação de espaços verdes, zonas pedonais para se poder praticar exercícios físicos, dado os problemas de saúde cada vez mais existentes em todas as camadas da população, são imprescindíveis. Há obras que estão há anos à espera que se avance, vou enumerar uma o museu etnográfico, já tem instalações, já lá existe algum material, não sei qual é o valor do mesmo, mas porque não se avança com esta obra? cada vez é mais importante a preservação dos usos e costumes dos nossos antepassados, aproveitando as recolhas feitas pelos ranchos folclóricos (federados) e fazendo mais algumas recolhas, porque ainda será possível encontrar no concelho pessoas idosas para se poder obter as informações necessárias. Quanto mais tempo demorarem a abrir o museu mais dificuldades terão para ter uma boa representação do que foi a vida quotidiana dos nossos antepassados. 

publicado por barroseira às 18:02