Quinta-feira, 19 de Agosto de 2010

Seleccionadores Nacionais, os males amados ou pessoas não gratas

Atitudes impróprias para um seleccionador Nacional.

São quatro os pontos importantes que eu vou analisar:

1)    Será que um bom condutor de homens pode tomar estas atitudes?

2)    Porque será que estas atitudes acontecem com os seleccionadores?

3)    Será que estes problemas acontecem por culpa dos seleccionadores ou da direcção da Federação, ou dos dois?

4)    Quais as atitudes a tomar, mandar embora o seleccionador, ou a direcção da Federação.

 

Um seleccionador Nacional nunca pode tomar atitudes que não o dignifiquem como homem, porque é o responsável máximo de uma selecção que representa um país. Tem que ser um exemplo para os jogadores, tanto na conduta pessoal, como na desportiva. Todas estas atitudes tomadas pelos últimos seleccionadores, só se toleram, porque a direcção da Federação não tem capacidade para estar à frente da mesma.

A direcção da Federação não tem condições para estar à frente do futebol português. E são vários os motivos: Passo a recordar, Saltilho, prostitutas no hotel da selecção, os problemas existentes com o Sr. Queiroz há uns anos atrás, quando ele disse que a Federação estava podre, o murro do Sr. Scolari no jogador etc. Quem era o resp0onsável pelas selecções o Sr. Amândio de Carvalho, que ainda hoje continua.

Estes problemas aparecem todos por falta de liderança na Federação Portuguesa de Futebol. O futebol actual já não vai com velhos do Restelo, quer gente dinâmica, com outra visão. O tratamento para com os jogadores e treinadores não pode ser o mesmo de há vinte anos atrás, porque a evolução foi muito grande a todos os níveis.

Em conclusão: as atitudes a tomar para mim eram as seguintes: substituição de todos os órgãos da Federação, fazendo uma limpeza geral. Porque esta direcção não tem pulso para resolver as situações que lhe aparecem. Se analisarem bem o que aconteceu com a França, podem ver como é que a Federação Francesa actuou. Suspendeu logo todos os jogadores e treinador que estiveram envolvidos na África do Sul.

E a nossa Federação o que fez com os problemas todos que aconteceram. Nada. Foi preciso o governo intervir para tomar uma posição.

Fazendo uma análise a todos estes factos que aconteceram recentemente, não havia justa causa para despedir o seleccionador? O que será preciso mais? Um homem que agride um comentador desportivo no aeroporto, só porque ele o criticou, ofende os responsáveis do controlo anti-dopagem, por eles estarem a zelar pela saúde dos jogadores. Agora veio se a saber que a pessoa em que andavam em cima era o Liedson, já o controlavam há meses no Sporting, porque tem uns valores altos, mas não é doping.

A Federação tomou conhecimento de tudo e não tomou medidas nenhumas, são uns deixa andar.

Esta direcção não tem condições para poder continuar, por tudo isto e mais uma coisa não menos importante, que foi a perca do estatuto de utilidade pública. Mas não podem ir as culpas todas para a direcção, porque algumas têm que ser divididas.

No caso do Mundial da África do Sul, temos que começar a culpar a direcção da Federação pela escolha que fez para seleccionador, já tinha tido problemas com ele e foi buscá-lo outra vez. Em seguida o seleccionador pela convocatória que fez, levando jogadores lesionados e outros sem ritmo de jogo e a falta de visão de jogo, para dispor os jogadores em campo. Por último os jogadores, a maior parte deles não jogaram nada, são umas vedetas, mas dentro do campo não demonstraram nada. São uns meninos mimados, sem humildade, a força do dinheiro sobe-lhe à cabeça e esquecem-se depressa das suas origens e do seu passado. Não é só ser bom jogador, é preciso também ser um grande homem. Vou dar ó dois exemplos: Luís Figo e Rui Costa. Ponham os olhos neles, pode ser que a postura deles lhe sirva de exemplo e os façam pensar.

publicado por barroseira às 15:37