Quarta-feira, 15 de Julho de 2009

Para onde caminha o povo

 

O povo caminha

Não sabe para onde vai

Se a caminhada for grande

Vamos ver se não cai

 

Se chegar a cair

No meio deste pântano,

Não sabe o que o espera

Ter que voltar ao cântaro.

 

Dias difíceis

Nos esperam,

Porque os governos

Tudo nos comeram.

 

Estamos a voltar

Ao tempo dos nobres,

De tigela na mão

À sopa dos pobres.

 

A vida está difícil

E eu que o diga,

Com esta austeridade

E eu não perco a barriga?

 

Diziam os meus avós

Que a crise voltava outra vez!

Uma fatia de boroa,

E uma sardinha para três.

 

Era grande a confusão

Quando se repartia,

Ninguém queria a cabeça

Só o meio satisfazia.

 

A sopa dos pobres

Teve grande implantação,

Neste nosso Portugal.

E está de volta pois então!

 

O nível de vida

Que muitos adquiriram,

Sem condições para isso

Mas não admitiram

 

Em pleno século XXI

Com mais ricos nobres.

Será que não têm vergonha

De se voltar à sopa dos pobres?

 

publicado por barroseira às 15:37